Racking do servidor Internet da campanha Macron alimenta rumores nas redes sociais

 

Uma postagem publicada pela conta twitter do vice-presidente do Front National (FN) Florian Philippot, à poucos minutos da meia-noite de sexta-feria, dirigiu internautas franceses às informações digitais fruto do hacking de caixas de correio eletrônico de dirigentes candidatura Emmanuel Macron.

O hacking, de acordo com o diário norte-americano New York Times, foi obra do grupo hackers Fancy Bear, já por trás do roubo de dados digitais durante a campanha presidencial entre Donald Trump e Hillary Clinton, e que é visto como um parceiro independente à serviço da FSB, agência de inteligência russa que substituiu a KGB da era soviética.  

Por enquanto, de acordo com experts ouvidos pela imprensa internacional, não há provas do envolvimento direto de WikiLeaks na divulgação do conteúdo obtido pelos hackers de Fancy Bear, muito embora o grupo de ativistas digitais tenha contribuído à propagar a informação do vazamento.

 

Les apprendront-ils des choses que le journalisme d’investigation a délibérément tues ? Effrayant ce naufrage démocratique. Florian Philippot

 

Minutos antes da noticia do vazamento inflamar às redes sociais, o candidato de “En Marche!” concedia uma longa entrevista à jornalistas da redação do site de Informações Mediapart.

O correspondent politico da publicação on line, contatado pela Agência Você (YAP), Mathieu Magnaudeix explicou que Macron e os membros da equipe do candidato não demostraram estar informados sobre o assunto e não reagiram ao deixar a sede de Mediapart ao final da entrevista.

Ainda na noite de sexta-feira, no entanto, a equipe do centrista, através de um comunicado, confirmou o roubo de informações eletrônicas de membros do movimento mas advertiu o publico quanto a existência de documentos falsos misturados as dezenas de gigabytes de informação autenticadas pela campanha.

Ceux qui font circuler ces documents ajoutent à des documents authentiques nombre de faux documents afin de semer le doute et la désinformation.
 
Intervenant dans la dernière heure de la campagne officielle, cette opération relève manifestement de la déstabilisation démocratique, comme cela s’est déjà vu aux Etats-Unis pendant la dernière campagne présidentielle. comunicado de imprensa / movimento “En Marche!” 
O comunicado deixa claro que o movimento “En Marche!” considera que o roubo e o vazamento de documentos ligados à campanha são parte de uma “operação (…) de desestabilização democrática, como fora o caso visto nos Estados Unidos durante à ultima campanha presidencial” numa referencia aos hackings do partido democrata e do diretor geral da campanha da candidata derrotada Hillary Clinton.
O horário da fuga leva à pesar que os hackers tinham um conhecimento, pelo menos rudimentar, das regras eleitorais francesas, posto que estas, há muitas eleições, estabelecem um embargo da discussão política. Nos dias que antecedem o voto, mídia e candidatos ficam proibidos de debater publicamente ou de veicular noticias relacionadas com o processo eleitoral ou com as candidaturas envolvidas na disputa.
O objetivo é evitar que rumores venham a perturbar os últimos momentos de reflexão do eleitor que se prepara para fazer uma escolha eleitoral definitiva.
Contudo, em tempos das redes sociais, os rumores baseados em fugas de dados roubados, extremamente numerosos, e não autenticados, florescem através da rede mundial de computadores. Enquanto isso, fora das redes sociais como Twitter ou Facebook, a lei impede que quem quer que seja, o uso das ondas de rádio e televisão ou as páginas da imprensa escrita para confirmar ou desmentir os rumores que se multiplicam entre os internautas.
Como a fuga se espalhou pela rede
A deflagração da noticia da fuga de informações relacionadas com a campanha de Macron se deu ontem, no meio da tarde os estados unidos, à partir da conta Twitter do jornalista ligado à nebulosa de extrema direita norte americana Jack Posobiec.
Como expliqua uma análise publicada, nesta manhã, no site de hospedagem de blog Medium por AtlanticCouncil’s Digital Forensic Research Lab, um instituto de perícia forense de redes sociais, Posobiec, um nacionalista assumido, é um dos principais propagadores de falsas notícias em favor das causas de extrema direita defendidas pelo movimento nativista norte americano conhecido como Alt-Rigth. Esta corrente política  forma a base dos mais ferventes admiradores de Donald Trump e tem no conselheiro estratégico do presidente dos Estados Unidos, Stephen Bannon, o principal ideólogo do grupo.
Through a machine analysis, DFRLab tracked the onset of the campaign to the Twitter account of Jack Posobiec, the Washington DC Bureau Chief of an obscure, alt-right website, theRebelMedia. Posobiec’s bio on theRebel.media reveals that “in 2016, Jack was the Special Projects Director for Citizens for Trump, the largest Trump grassroots organization in the US,” and he is “a proud member of #SlavRight,” a nationalist Slavic movement.
Do momento da postagem inicial, uma rede de ativistas digitais da Alt-Rigth e robos virtuais fizeram o hashtag #Macronleaks atingir a marca de 47 mil tweets em 3 horas e meia.
With less than two days to go before the final round of the French Elections, an emerging hashtag campaign, #MacronLeaks, was amplified throughout multiple social media platforms. #MacronLeaks reached 47,000 tweets in just three and a half hours after the initial tweet. This hashtag guided users to an alleged, possibly 9 GB, leak of Emmanuel Macron’s “campaign emails,” reportedly showing evidence of offshore accounts, tax evasion, and a slew of other nefarious activities.
Ainda de acordo com os experts de AtlanticCouncil, 90 minutos após o tweet inicial, dois dos principais cyber-ativistas franceses ligados a propaganda pro-Front National re-twitaram a publicação de Posobiec.
Some 90 minutes after Posobiec began tweeting, his posts were retweeted by two of nationalist candidate Marine Le Pen’s most active and aggressive online supporters, @Messsmer and @AudreyPatriote, both of whom the DFRLab has identified as the leaders of numerous pro-Le Pen hashtag drives
Deste momento em diante, uma efervescência se instalou entre ou usuários franceses do site do microblogging. Em seguida, responsáveis frontistas de envergadura re-twitaram o tweet do número dois do FN que re-twitava, por sua vez, o tweet de Jack Posobeic.
A esta altura – à poucos minutos da meia-noite de Paris – a campanha de Macron reage através de um comunicado e, no que diz respeito as mídias tradicionais, o silêncio sobre o vazamento ou sobre conteúdo dos documentos vazados é a regra.
Na versão digital dos principais veículos de informação à prudência parece ser geral. O  blog Pixels hospedado no site do jornal Le Monde levanta mais questões do que esclarece dúvidas sobre o assunto do hacking.
No final da tarde de ontem, os principais institutos de pesquisas davam Emmanuel Macron como o favorito à vitória final. O comportamento pouco presidencial instável de Marine Le Pen no debate de quarta-feira à noite, conforme os números finais das pesquisas de opinião revelam, teria dado um impulso final ao candidato de “En marche!”.
Os rumores alimentados pelo vazamento pode inverter a tendência favorável à Macron e desmentir as pesquisas? Poucos acreditam que Marine Le Pen possa desfazer os prognósticos graças ao hacking da campanha do centrista, no entanto, a amplitude do fenômeno inspira a circunspeção dos apoiadores macronistas.
Respostas em menos em 36 horas.

Conteúdo Relacionado

Forte mobilização em Paris contra a reforma do regime de aposentadoria na França 36 dias após o início do movimento

700 mil contra o projeto de reforma das aposentadorias em mais um dia de protestos em toda a França

No 7° dia de greve integra do projeto de reforma do regime de aposentadorias na França é rejeitado pela oposição e sindicatos

Braço de ferro continua entre governo e grevistas, nos transportes, nas ruas, contra a reforma do regime de aposentadorias na França

Deixe uma resposta