Notre-Dame em chamas – Emmanuel Macron deseja que a catedral reabra em 5 anos

* Emmanuel Macron evoca um horizonte de 5 anos para o final dos trabalhos de restauração da catedral Notre-Dame de Paris

* “Eu quero dizer que eu divido a dor mas também a esperança de todos vocês”, diz o presidente da república Francesa em um discurso de seis minutos em rede nacional de radio e televisão

* A intervenção televisiva prevista para ontem, com o objetivo de anunciar as medidas saídas do Grande Debate foi prorrogada “para um momento mais adequado” prometeu Macron.

* Apesar da devastação, primeiro balanço do incêndio que atingiu a catedral de Notre-Dame de Paris são otimistas, dizem autoridades***

 

O incêndio que ontem (15 de abril) consumiu as telhas e a flecha ou pináculo ornamental da catedral de Notre-Dame de Paris junto com as vigas de madeira seculares que as sustentavam, apesar da grande consternação nacional e internacional que causou, não deve condenar a estrutura principal do monumento católico de 856 anos de existência. É o que informa o ministério do Interior e o Corpo de Bombeiros de Paris, hoje (16 de abril) pela manhã.

A preservação da estrutura principal do sítio, no entanto, esteve ameaçada durante a longa noite de batalha travada contra as labaredas. “Foi uma questão de 15 minutos à meia hora”, contou aliviado o número 2 do ministério do Interior, Laurent Nuñez, em coletiva concedida na esplanada em fronte as duas torres da fachada que, como o essencial dos muros da igreja, foram salvas. O adjunto do Interior ainda aproveito para homenagear a “coragem” e o “heroismo” dos soldados do fogo de Paris.

As chamas foram completamente extintas por volta das 9 horas horário local e o combate durou mais de 12 horas. Na mesma entrevista coletiva em frente a catedral pela manhã, o anúncio do primeiro balanço dos estragos trouxe mais boas noticias. De acordo com o ministro da Cultura, Franck Riester, após um período de 48 horas iniciado ainda hoje, em que a defesa civil e os bombeiros de paris procederão à uma operação de reforço estrutural do prédio, 90% das obras de arte e relíquias que a velha catedral encerrava poderão ser evacuadas, restauradas e acomodada sob a guarda do museu do Louvre de Paris.

Telhado da Catedral Notre-Dame de Paris nos primeiros minutos do incêndio que devastou o monumento – Foto: Elaine West-Lethielleux – ©YAP

No entanto, segundo o ministro, apesar do fato de não terem sido atingidas pelo fogo, a exposição à água lançada contra as paredes da igreja para controlar o avanço das chamas pode ter causado uma degradação mais extensa que inicialmente estimada. Riester lembrou que “é preciso prudência ainda que guardando o otimismo”.

Também de acordo com o ministro encarregado do patrimônio nacional, os vitrais em rosáceas, verdadeiras joias da catedral e um dos únicos na França a terem resistido ao teste da história intactos, foram “milagrosamente” preservados quase integralmente. Contudo, o grande órgão, célebre instrumento no mundo da musica sacra e erudita, apesar de ter sido salvo dos perigos da combustão, diferente das primeiras informações veiculadas nas horas inicias do dia, parece “ter sido bastante atingido”, explicou o ministro.

O teto em abóboda, típico do estilo gótico em que foi construída a catedral do século XII, apresenta três perfurações de dimensões consideráveis, sendo que a mais importante de todas se localisa sob o ponto onde a flecha aterrissou após o colapso desta causado pelo fogo. Ainda assim, 90% do teto resistiu ao afundamento das vigas de madeira do sótão, ou “floresta” – esta armação em madeira de carvalho que data dos séculos XII, XIII e XIV. Mais uma razão de alento para os parisienses e fiéis católicos enlutados pelo inimaginável sinistro de ontem à noite.

Apesar de diversas relíquias religiosas (Como a coroa de espinhos e a capa do rei cruzado São Luís), históricas e artísticas terem sido preservadas, as perdas são colossais e, até o momento incalculáveis. Diversos especialistas da restauração de monumentos similares a catedral incendiada, políticos e ex-ministros falam de anos e até mesmo de décadas para fazer renascer a velha casa de culto que é não só o centro histórico mas geográfico do país – a esplanada da catedral é o quilômetro zero de todas as estradas nacionais na França.

A batalha de estimativas foi lançada e o chefe do Estado, hoje à noite em um discurso à nação, em rede de radio e televisão, disse que ele espera que a reconstrução e o restauro dos estragos possam ficar prontos em cinco anos. Para Emmanuel Macron, a França, “um país de construtores”, é capaz de concluir em tempo excepcional este canteiro de obras que se anuncia colossal.

Para se ter uma base de comparação, a catedral de Nantes, que foi vítima de um sinistro similar no dia 28 de janeiro de 1972, levou cerca de 20 anos para ter os trabalhos de restauro concluídos.

* Após a emoção uma primeira polêmica

Desde as primeiras horas desta terça-feira, as questões de como um tal acidente pôde acontecer, e de saber se o sinistro poderia ter sido evitado, foram colocadas sobre a mesa em diversos programas matinais de radio e tevê do país.

O editor-chefe da revista “La Tribune de L’Art”, Didier Rikner, por exemplo, declarou em entrevista à emissora de radio Franceinfo que “se poderia ter evitado” o infortúnio da véspera. O primeiro foco do incêndio começou no entorno do pináculo ornamental que passava por uma reforma neste momento. Razão pela qual o Ministério Público de Paris, desde ontem à noite, conduz um inquérito para conhecer as causas exatas e privilegia a hipótese acidental

Rikner também acredita em acidente e pensa que a negligência estaria por trás da tragédia. “Se solda, se trabalha [no entorno da flecha] e é no momento em que os operários partem que o incêndio se inicia”, cravou o jornalista. Segundo ele, teria faltado vigilância.

Alias, 16 estatuas (representando os 12 apóstolos e os 4 profetas) que rodeavam a flecha hoje consumida pelo fogo foram retiradas do respectivos pedestais para restauração em um atelier da Dordonha no sul da França.

Já o historiador da arquitetura e professor da Sorbonne Alexandre Gady, também aos jornalistas de Franceinfo, preferiu lamentar um acidente “que poderia ter sido evitado, simplesmente, com um pouco mais de cuidado com o protocolo de segurança [contra incêndios]”. Já Jean-Michel Leniaud, presidente do Conselho Científico do Instituto do Nacional do Patrimônio, denunciou “a falta real de preservação e de atenção no cotidiano” como sendo “a maior causa desta catástrofe”. As declarações de Leniaud foram recolhidas pelo jornal La Croix.

* Armadilha da Pressa

Estas primeiras críticas motivadas pela incompreensão de especialistas da história e do patrimônio não passaram despercebidas.

Na alocução desta noite, Emmanuel Macron, diz entender o desejo de buscar respostas rápidas para as causas desta perda. Mas ele lembra que “após o momento da provação, virá o tempo da reflexão e, em seguida, o da ação”. Na visão do chefe do Estado Francês, não se deve “cair na armadilha da pressa”. Para Macron, administrar um país não é somente “administrar coisas” sem levar em conta “a história, o tempo, as mulheres e os homens” que compõe à nação, completou o primeiro mandatário.

*Dia de luto em frente ao vazio deixado no céu de Paris

A esquina da Ilha de Saint-Louis, que fica em frente aos fundo da catedral martirizada pelas chamas na noite desta segunda-feira, foi ocupada por visitantes de bairros, cidade e países próximos e longínquos. Curiosos, fiéis, ateus parisienses, interioranos e mesmo estrangeiros buscaram se aproximar da “velha Dama” em uma cena de recolhimento e luto. Uma mistura mundana e mística que dava a dimensão da desolação horizontal causada pela perda da “floresta” sob o telhado e de todas as riquezas desaparecidas e que, desde já, se sabe, não poderão ser recuperadas.

Em meio a jornalistas, turistas, parisienses anônimos e célebres, Nathanael. Este decorador de profissão, por volta dos 60 anos de idade, veio até a reportagem de YAPMAG. Ele queria exprimir o sentimento de indignação que era o seu. Para ele “houve negligência”. Este habitante do bairro se comisera da tragédia. O fogo que consumia o telhado da catedral mais célebre da França o fez temer pela perda total desde monumento de mais de 8 séculos de vida.

Com lágrimas que desciam dos olhos e corriam pela face, o sexagenário lançou: “Eu daria tudo para que fosse meu apartamento que tivesse sido consumido pela chamas e não nossa história”, disse do incêndio em Notre-Dame.

A melancolia, desolação e desconsolo marcavam o segno de Anaïs que tinha o fito que apontava para o vazio deixado nos céu de Paris pela ausência da flecha que ornava os fundos da catedral. Esta jovem parisiense é historiadora e trabalha com o patrimônio em uma fundação dedicada a preservação de mapas e litografias.

Ela se disse incrédula – como tantos. “Eu ontem não quis vir porque seria mundo duro para mim”, confessou Anaïs, como quem se justifica de chegar atrasado ao velório de um caro amigo ou familiar.

Mesmo as noticias positivas que foram sendo conhecidas aos poucos durante o dia não servem de alento. “Vai se reconstruir, mas tem coisas que foram perdidas para sempre e é isso, sobretudo, que mexe comigo”, explicou a jovem senhora.

* O que se sabe até agora

O fogo teria iniciado por volta da 18h20 e declarado cerca de 20 minutos depois, quando a ordem de evacuar as cerca de 1.600 pessoas que ainda visitavam o interior da catedral foi dada.

Alias, como contamos aqui ontem à noite logo após o inicio do sinistro, de acordo com a britânica Izin, uma das testemunhas diretas do trabalho das equipes de segurança de Notre-Dame, a retirada dos visitantes e fiéis que chegavam para a celebração de uma missa na mesma hora se deu sem sobressaltos.

Um proprietário de uma loja de vinhos adjacente à ilha de la Cité onde fica a casa de culto atingida pelas chamas, Hervé, nos contou hoje tarde que, na semana passada ele teria presenciado um treinamento que simulou uma situação de incêndio em Notre-Dame. Uma irônica coincidência.

Hervé, que atendia clientes na hora em que um movimento em torno do monumento começou a se intensificar disse ter visto o momento em que os primeiros veículos do corpo de bombeiro chegavam ao local. Ao sair para as ruas, por volta das 19 horas, o comerciante afirma que o telhado da catedral já estava em chamas e que o incêndio parecia incontrolável. De fato, em menos de duas horas, e ajudado pelo forte vento que sopra sobre o norte do país, o fogo transformou em cinzas nove séculos de historia da arquitetura gótica.

Telhado da Catedral Notre-Dame de Paris nos primeiros minutos do incêndio que devastou o monumento – Foto: Elaine West-Lethielleux – ©YAP

Cerca de 400 soldados do corpo de bombeiros de Paris e região foram mobilizados. As estreitas rua da capital não facilitaram o acesso dos veículos pesados de combate ao fogo que levaram mais tempo para alcançar o sitio.

De acordo com Laurent Nuñez, o mais difícil foi pôr fim as chamas que avançavam em direção da torre norte da fachada que, se afetada, poderia ter levado ao colapso de todo o monumento. Os bombeiros de Paris “não hesitaram a penetrar na torre. Colocando em risco as próprias vidas” informou o número 2 do Interior.

Já o procurador geral do Ministério Público de Paris, Rémy Heitz, informou que um inquérito foi aberto para apurar a origem do incêndio. No momento, “nada leva à pensar em um ato criminoso”, afirmou Heitz. Assim, a pista acidental é privilegiada. Alias, ontem à noite ainda, 16 trabalhadores envolvidos com as obras de restauro do pináculo passaram por oitavas na sede da policia judiciaria de Paris. Hoje foram ouvidos mais 20 funcionários do canteiro de obras que, de acordo com a hipótese mais provável até agora, estaria na origem da devastação.

* Solidariedade

Se o número de anos que as obras de reconstrução levarão para chegar à termo faz polêmica, a necessidade de meios financeiros abundantes não parece gerar debate.

Em menos de 24 horas, entre doações multi-milionárias e quantias modestas, os fundos de recuperação de Notre-Dame chegaram à mais de 750 milhões de euros. Uma solidariedade com origens variadas: grandes fortunas da França, mas também estrangeira, pequenos doadores, entre outros. E esta tesouro deve se avolumar nos próximos dias com iniciativas governamentais tais como o desbloqueio de fundos de emergência, tarifas especiais dirigidas as obras que poderão ser cobradas em museus e monumentos nacionais ou ainda através de campanhas de televisão programadas para este final de semana.

De Paris, DF

 

Conteúdo Relacionado

Forte mobilização em Paris contra a reforma do regime de aposentadoria na França 36 dias após o início do movimento

700 mil contra o projeto de reforma das aposentadorias em mais um dia de protestos em toda a França

No 7° dia de greve integra do projeto de reforma do regime de aposentadorias na França é rejeitado pela oposição e sindicatos

Braço de ferro continua entre governo e grevistas, nos transportes, nas ruas, contra a reforma do regime de aposentadorias na França

Deixe uma resposta